1. Visitante, concluímos no último sábado (05/out) a migração do Fórum Valinor. É um sistema novo, com muitas novidades e diferenças. Por favor, em caso de dúvidas ou problemas, utilize este fórum: Valinor - Migração (Dúvidas / Problemas / Etc)

[18/10] Aniversário de Howard Shore

Tópico em 'Comunicados, Tutoriais e Demais Valinorices' iniciado por Smaug, 19 Out 2005.

  1.  
    Smaug

    Smaug Cacho

    Autores: Smaug; Mith; Fëanor ¥; Bagrong

    Em 18 de outubro de 1946, o mundo teve o prazer de receber o então futuro compositor Howard Shore. Nascido em Toronto, no Canadá, Howard mostrou-se talentoso com a música desde cedo, por isso, ao crescer, resolveu seguir carreira cursando a faculdade de Música no Berklee College of Music, em Boston, Massachusetts.

    Dos 21 aos 26 anos, ele participou do grupo Lighthouse compondo músicas, tocando flauta, saxofone e trompete. No ano de 1975, quando o músico tinha 29 anos e já havia deixado seu antigo grupo há três, ele passa ao cargo de diretor musical do programa de televisão Saturday Night Live. Nesta época Shore também começa a trabalhar compondo músicas para filmes, tendo seu primeiro trabalho importante em 1981 com Scanners - Sua Mente Pode Destruir.

    Partindo de sua primeira composição, Howard consagra-se em filmes muito famosos como O Silêncio dos Inocentes (1991), Filadélfia (1993), Uma Babá Quase Perfeita (1993), Seven - Os Sete Crimes Capitais (1995) e O Aviador (2004).

    Já consagrado, Howard ficou encarregado de elaborar toda a Trilha Sonora da trilogia O Senhor dos Anéis (2001, 2002 e 2003), no qual fez um brilhante trabalho. Ele procurou compor a música de uma forma que parecesse antiga, usando assim instrumentos como tambores, violinos e violoncelos. Além disso, ele ainda introduziu canções e poemas feitos por Tolkien, cantados também em élfico.

    "Então usamos a antiga língua dos anões, em Moria, cantada por um coro de maoris e samoanos. Usamos élfico, sindarin e quenya na partitura, cantadas com partitura; gravamos um coro de meninos. Dessa forma, conseguimos reinserir detalhes da história no filme", conta Shore.

    Howard disse que sentia-se como Frodo, perguntando-se porquê tinha de carregar um fardo tão pesado. Mas no fim acabou elaborando uma Trilha Sonora que ajuda o filme a ter todo o clímax que tem. É quase impossível não se lembrar de uma cena empolgante sem ser acompanhada de sua música. E por fim, Howard ainda ganhou o Oscar por A Sociedade do Anel e O Retorno do Rei, nas premiações de 2002 e 2004.

    Atualmente, Shore trabalha em parceria, novamente, com Peter Jackson, para o filme que estréia em Dezembro, King Kong. Trata-se da refilmagem do clássico da década de 30.

    Fotos:

    Senhor dos Anéis em Seis Movimentos - Sinfônica em Moscou, 2004

    Orquestra apresenta repertório de O Senhor dos Anéis em Moscou, regida por Howard Shore

    Howard agradece ao público pela atenção, após apresentação musical

    Howard Shore em uma sessão de autógrafos em Montreal

    Compondo a Música de O Senhor dos Anéis, Howard com Peter Jackson

    No Oscar de 2003 - Fran Walsh, Howard e Annie Lennox (cantora de "Into the West")

    Howard Shore no Globo de Ouro, Bervelly Hills, Janeiro de 2005 - prêmio por Melhor Trilha Sonora em um filme, com O Aviador

    Mini-biografia:
    - Nasceu em Outubro de 1946 em Toronto, Canadá;
    - Estudou da Escola de Música de Berklee, em Boston;
    - No período de 1969 a 1972, Howard Shore era um membro do grupo Lighthouse. Compos músicas, tocou flauta, saxofone e trompete - e fez algumas participações no vocal;
    - Por meados de 1970, era diretor musical do seriado semanal Saturday Night Live e é um dos criadores do programa;
    - Em 2000 ele foi escolhido para ser o compositor do grande projeto de O Senhor dos Anéis;
    - Compos músicas para mais de 50 filmes;
    - Na premiação do Oscar de 2005, ganhou o prêmio de Melhor Trilha Sonora por O Aviador.

    Uma entrevista com Howard Shore:

    A revista americana Playback Magazine, a qual faz diversas matérias cobrindo os eventos da ASCAP(Sociedade Americana de Compositores, Autores e Publicidade) conversa com Howard Shore sobre o seu grande sucesso com a trilogia de O Senhor dos Anéis. Confira abaixo os principais pontos da matéria.

    Howard Shore, este ano [2001] destaque da ASCAP, Prêmio Henry Mancini Award, tem sido um dos músicos compositores de temas de filmes mais versáteis por mais de 25 anos. Muito associado aos filmes do amigo e diretor canadense David Cronenberg, Shore também trabalhou em filmes do direitor Martin Scorcese (Gangues de Nova York) e Tim Burton. Shore compos músicas para family films, grandes comerciais, e dramas de pequena escala (Nobody's Fool). Nos últimos anos podia-se ver Shore envolvido com o que provavelmente a série de filmes de fantasia mais famoso de todos os tempos - a trilogia O Senhor dos Anéis, dirigida por Peter Jackson. Shore recebeu o Oscar de Melhor Música Original por suas músicas nos dois filmes da trilogia de Tolkien, A Sociedade do Anel e O Retorno do Rei, e também o Oscar de Melhor Música com Into the West, esta escrita por Shore e Frances Walsh e interpretada pela cantora Annie Lennox, para a terceira parte da trilogia.
    [...]

    Você pode descrever como você começou a estudar música?

    Eu comecei a estudar counterpoint e harmonia quando eu tinha dez anos de idade, e tocava clarineta. Com quatorze anos, em uma loja de música, eu ouvi Toru Takemitsu pela primeira vez. Eu também descobri a música de Karlheinz Stockhousen, John Cage, Bela Bartók e Igor Stravinsky. Esses foram os tipos de músicas que me interessaram quando eu era mais jovem e eu misturei isso com o meu amor por música popular - Elvis Presley e Os Beatles, ambos crescendo nas décadas de 50 e 60. Saturday Night Live começou com um show que Lorne Michaels e eu fizemos em um acampamento de verão chamado Timberlane in Ontario quando nós tínhamos quatorze e quinze anos. Nós queríamos fazer um show impovisado com música, comédia e atuação.

    Você foi de um acampamento de verão para um músico profissional bem rápido, hein.

    Eu fui aceito na Berklee College of Music e estudei como compor lá. E quando eu caí na estrada com o Lighthouse e eu fiz milhares de apresentações à noite, em quatro anos de turnês. Esta era uma nova maneira de expressar música com esse grupo - eu gravei oito álbuns com eles. Eu compus músicas, toquei flauta e cantei - isso teve muita participação no repertório do grupo. Nós tínhamos dez pessoas compondo a banda, incluindo um quarteto de instrumentos clássicos de corda e um grupo de músicos de instrumentos de sopro. Também tocamos com orquestras sinfônicas. Com dezenove e vinte anos eu estava conduzindo meu próprio projeto com o The Royal Winniped Ballet. Também trabalhei para emissoras de rádio e programas de TV da CBC (emissora de TV canadense) com Lorne Michaels - isso levou a criação de Saturday Night Live - o qual eu fiz desde 1975 até 1980, 113 shows ao vivo.

    Saturday Night Live foi uma boa preparação para compor música para filmes?

    Eu acho que foi uma boa preparação. Eu fazia uma música toda semana, junto da banda, compus as músicas de abertura e encerramento e estabeleci a sonoridade do show. Trabalhar com escritores, atores e diferentes diretores mostrou o grande valor da colaboração. E esse tipo de repertório do programa foi bom para compor trilhas sonoras de filmes por que você possuia muita acessibilidade.

    [...]

    O Senhor dos Anéis foi seu maior desafio como compositor em filmes?

    Sem dúvida, cada uma das trilhas sonoras dos três filmes possui quatro horas de duração, e eu trabalhei nessas trilhas sonoras por quase 4 anos. Poucos projetos de filmes demandam essa quantidade de tempo e esforço.

    Minha carreira sempre foi envolvida com a música. E O Senhor dos Anéis é apenas uma expressão de música que eu possuía em mim, mas não tinha a oportunidade de criar. Havia pensado em sua música por anos e anos. Você escutou-a em outros trabalhos anteriores, como The Fly (A Mosca, 1986), Dead Ringers (Gêmeos – Mórbida Semelhança, 1988) e The Silence of the Lambs (O Silêncio dos Inocentes, 1991). Se você observar a carreira inteira, você pode ver todos os trabalhos dela convergindo para essa obra de doze horas. Foi um processo bastante linear, desde a idade dos dez anos, ganhando experiência, conhecimento, trabalhando em gravadoras, trabalhando com bandas e orquestras até que possuísse a energia e a experiência para criar algo como a trilogia de O Senhor dos Anéis.

    Grande parte da trilha sonora do Senhor dos Anéis é composta por corais. Você possuía muita experiência quanto a isso?

    Sim, começou no filme Looking for Richard (Ricardo II – Um Ensaio, 1996) que usava corais cantando em Latim. O texto foi criado por Elizabeth Cotnoir. O Senhor dos Anéis é uma imagem musical de Tolkien. Eu costumo trabalhar com diferentes autores - eu fiz a imagem musical para Naked Lunch (Almoço Nu), o livro de William Burroughs, e Looking for Richard, baseado em Shakespeare. Eu gosto de ler e sonhar e criar músicas que são baseadas ma imagem do texto. Se você possui a combinação de um grande livro e um grande diretor, o que pode ser melhor para o compositor?

    Sites:
    Volume
    Wiki
  2.  
    Lúinwë

    Lúinwë Usuário

    Essa noticia saiu dia 17, no Cinema em Cena:

    "Howard Shore abandonou a equipe de King Kong. O colaborador de Peter Jackson em O Senhor dos Anéis preferiu deixar a trilha sonora do novo filme do diretor nas mãos de outro compositor. Jackson chamou James Newton Howard (A Vila, Batman Begins) para ocupar a vaga.

    Em comunicado, o cineasta afirmou que a separação se deu devido a diferenças criativas. “Em vez de perder tempo discutindo com um amigo e tentar unificar nossos pontos de vista, decidimos amigavelmente deixar outro compositor escrever a música do filme,” declarou Jackson.

    Shore ganhou o Oscar pelas trilhas de A Sociedade do Anel e O Retorno do Rei. Ele estava trabalhando em King Kong desde que terminou o último filme da trilogia O Senhor dos Anéis. Howard tem, agora, pouco menos de dois meses para compor a nova música de King Kong, que estréia nos cinemas em 14 de dezembro. "

    É uma pena, com certeza....

Compartilhar